segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Brincadeira!


Que brincadeira é esta,
tuas mãos tão fortes,
segurando as minhas?

Lado a lado tuas mãos
 e as minhas, imperfeições
latentes ou paixões ardentes?

Brincadeiras sem respostas, 
áspera pele, dá o tom
de segurança, serei eu
uma criança?

Não importa o que eu veja,
eu terei sempre a lembrança
de que tuas mãos
um dia, amparou as minhas.

Necessito!


Necessito de teu perfume,
de teu sabor, de teu sorriso,
como se fosse pétalas se abrindo.

Necessito pousar em teus lábios,
brincar suavemente em tua face,
como uma abelha na flor.

Sugo o néctar, embriago-me
de ti, nas cálidas manhãs,
sempre assim, como flor de romã.


Simplicidade!


Tua altivez chama minha atenção,
tua simplicidade me comove,
tua força me inspira.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Morada!


A força fez de nós,
sua morada, instalou-se
não pediu licença e
nos fez acreditar em sonhos.

E no alto do arranha-céu
recém construído, depositamos
nossas esperanças de uma
vida melhor.

Melhor para nossos filhos!

Em nossa lida, no dia a dia,
estreitamos nossas relações,
partilhamos o que trazemos
em nossas marmitas.

Voltamos depois com disposição
renovada para a casa,
sabedores que ganhamos
hoje, cada um, mais
dois irmãos.

Em mim.


Pousou em mim tão descaradamente,
brincou de contemplar
tudo em nossa volta.

E repentinamente foi embora,
levando consigo
meu bem querer.

Cotidiano.


Acaricia-me, faz das migalhas do tempo,
o alimento certo
para a próxima estação.

Não chore pelo tempo roubado,
junte os pedaços
monte o quebra-cabeça.

Tenha-me repetidamente,
até que o hábito
do abraço dado.

Te faça mais forte,
pedaço inteiro de mim.