quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Arte


A sombra dita a hora,
e implacável o sol
dá os acordes e assim
calidamente o dia passa.
Você em sua caminhada,
capta as sutis mensagens,
seja em forma de desenhos
ou sentimentos partilhados.
Arte natura, arte nobre,
quais são os frutos da arte,
quem é a mãe natureza ?

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Frágil

Sua fragilidade imperativa a torna
tão forte no meio de outras tantas,
tão iguais, tão presentes.

Brinca com a natureza que lhe
  deu vida. que lhe deu nome,
cresce e  se multiplica.

Pertence a todos, pertence
ao mundo, pertence a quem
lhe cuidar primeiro.




terça-feira, 29 de outubro de 2013

Ninho


Na tua teia fiz meu ninho.
no meu ninho guardei
todos os meus segredos.

Tornaste de uma forma
tão despretensiosa o
guardião de meus dias.

Sutilmente aproveitei-me
de teus abraços e os deixei
aquecer todo o meu corpo.

Não é nefasto este sentimento
nem tampouco generoso, 
quando pensou estar tão só.

Eis que enredo-me em tua trama.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Espinhos


Arranque um a um
os espinhos de sua frente.
Deixe de ser carente,
não perca o sorriso
se vier a dor.
Mude o olhar sobre
o mundo,sempre
haverá espinhos.,
esteja onde estiver.
Suba lentamente as escadas
reaja, busque a fé.
A tua fé.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Se eu pudesse voar


Se eu pudesse voar,
levaria em minhas asas

este amor acontecido
aqui e agora.
Não iria só, levaria comigo
as memórias futuras e meu
companheiro, amigo
de muitas horas.
Porquanto aos trancos e
barrancos vou me plantando,
neste chão me dado.
Quem sabe, em forma de broto novo
ficarei mais sossegada.

Meus galhos seriam abraços!


Queria ser uma árvore, não pelo porte 
que pode ser alcançado ou
pela grandeza de sua raiz.
Queria ser os galhos, pois destinaria
 cada um deles para um ente querido.
Mil galhos, mil abraços todos os dias,
não haveria uma pessoa sequer,
da família ou não, sem carinho, sem
um aconchego, sem um cheiro.
Não haveria questionamentos, sobre
quem eu amaria mais.

Mas, sendo eu uma árvore, quem se habilitaria
a regar 
todos os dias, a minha raiz?

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Além das flores!


Além das flores trouxe comigo,
um sorriso e a crença do amor amigo.


Procura!


Procurei o sol, encontrei a lua
não na mesma hora, pura rebeldia,
eu que me escondia  da noite,
esbarrei no dia.

No espelho das águas, reflexo da minha procura,
 contei segredos às sombras, descansei
as margens do rio, sonhei que ainda vivia.

Nem a noite, nem o dia, o quem assombrava-me sempre,
era simplesmente o fantasma da alforria.
O que fazer agora, sem amarras, sem memória
em plena luz tardia.