sábado, 15 de novembro de 2014

Fome

Devoro minhas lembranças
todos os dias e alimento
minha alma dia e noite.
Sacio a saudades de quem
já não está mais em
meus banquetes.
E assim farto-me constantemente
das pequenas centelhas de
minha memória,
matando a saudades que
me deixa demente.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Eu

O que sou agora,
uma jovem senhora, uma
alma feliz encantada com novas possibilidades.

Ou a tímida menina, que um dia descobriu
ter a sensualidade das flores e, a ardência
das chamas.

Talvez nem uma, nem outra,
entre a linha tênue entre ambas,
corre sem amarras, a mulher madura.

Repleta de sonhos inviáveis,
para uma alma que diziam
pura.


Quero

Eu quero dançar,
flertar com a felicidade, sonhar com o mar e
ignorar minha maturidade.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Se

Se é dor,
não será amor.

Paz.

Paz é a minha companhia,
e se eu morrer nesse instante,
deixo boas lembranças do que foram
todos os meus dias.

Vivi intensamente, ou não,
sei que amei, amei tão profundamente.

Reencontros.

Apenas sonhos sobre
um tempo distante, pessoas queridas
que já não  existem mais.

Vozes, gestos e estórias
passeiam dentro de mim
agora.

Sensações múltiplas,
sentimentos desencontrados,
deixam-me distante da
mulher que acordou há instantes.

Meu café da manhã tem sabor
de saudade, o que significa
tais reencontros em sonhos?.

Fome

Fome necessária,
desejo de tira camadas, ficar nua
buscar-me na caixa e
decifrar-me na rua.

Brincar de chorar,
esconder o sorriso e
ser óbvio metade do tempo
e latente o tempo inteiro.

Ego

Deixem meu ego em paz,
ele não se curva
a minha alma,
e o contrário não se faz.

São unânimes em tudo
que faço, e no todo
que me compraz.